quarta-feira, 7 de maio de 2014

BIODANÇA E ENTROPIA








A palavra Entropia designa a tendência generalizada de todos os sistemas do universo, sejam eles naturais ou feitos pelo homem, de deteriorar-se. O corpo humano passa por um processo de entropia: vai envelhecendo e um dia morre. O automóvel também. Vai ficando velho, desgastando as peças e um dia vira sucata. O sol é assim. Vai queimando aos poucos, consumindo-se e um dia apagará. Essa camisa que você usa. Essa rua por onde anda. A casa onde mora. A lâmpada que lhe dá luz... Tudo isso um dia acabará, por um processo natural de entropia, de desgaste inevitável. A única coisa que podemos fazer é tentar controlar a velocidade com que esse processo acontece. É na manutenção bem feita da vitalidade que está o segredo para retardar o processo de entropia que um dia nos levará ao fim. A manutenção de um avião, por exemplo, que faz com que ele voe 30, 40, 50 anos. Limpar o chão, pintar a parede periodicamente, trocar as telhas quebradas, prolonga a vida da casa. O ser humano promove sua manutenção elegendo fatores positivos para nutrir seus dias de saúde: alimentação, companhias, escolhas e integração entre o pensar, sentir e agir.

E sabe qual é o segredo que há por trás do segredo? É a existência de instrumentos que nos mostrem quando o processo de entropia está atingindo índices perigosos. A luz tem que acender. A sirene tem de tocar. E assim a equipe de manutenção é acionada e as providências necessárias para reduzir a velocidade da deterioração, executadas.

Mas encontrar e consertar uma goteira é fácil. A coisa complica quando olhamos para nós mesmos e percebemos que, além da ordem natural das coisas, algo acelera nosso processo entrópico além da passagem do tempo e é preciso “consertar”. Provavelmente, se percebermos este processo (porque nem sempre ele é percebido), está na hora de parar e levantar algumas questões: estou onde quero? Com quem eu quero? Faço o que eu quero? Gosto de mim? Moro no meu copo ou fora dele? Penso, sinto e ajo de maneira integrada? Em seguida, é preciso tomar decisões. Sair da vitimação e eleger estratégias de viver que produzam cada vez mais cofatores positivos com sua ação anti-entrópica, autorizando a vida a gerar mais vida!

A reprogramação Biológica, em Biodança, vai além do resultado de uma atividade física sobre o corpo da pessoa. Ela instala uma fome de viver e inclui o indivíduo no seu próprio processo existencial a partir das escolhas que faz para sua vida. São novos estilos de viver conhecidos através de vivências integradoras que conectam os participantes com sua matriz pessoal e intransferível. O objetivo é expressá-la, implicar-se na construção do dia a dia, abandonar argumentos viciosos que sustentam enfermidades, desfrutar a conexão entre os princípios da razão e da emoção, encher a vida de prazer e construir, assim, um cotidiano pleno de significação.


Não há sentido em termos tempo de vida se nos falta vida no tempo.


Texto inicial de Luciano Pires interferido por Hilda Nascimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário